quinta-feira, 30 de junho de 2016

Você pode ser processado se usar o Facebook para cobrar uma dívida


Se você está precisando cobrar alguma pessoa por uma dívida antiga, é melhor não fazer isso pelo Facebook. A cobrança de dívidas pela rede social pode sair pela culatra, já que você pode ser processado por danos morais pela própria pessoa que te devia dinheiro.
O que parece ser algo inacreditável, na verdade aconteceu recentemente em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Lá, um comerciante realizou um serviço na ordem de R$ 250 para um cliente que lhe deu apenas R$ 200 e prometeu pagar o restante em breve. Sem resposta depois de mais de um mês, o comerciante publicou a cobrança no Facebook de forma pública. Foi aí que o problema começou.

Ele até recebeu o restante da dívida logo no dia seguinte da publicação, mas também foi obrigado a arcar com o pagamento de uma indenização por danos morais no valor de R$ 1.500. A decisão foi tomada pelo Juizado Especial Cível de Santa Maria que enxergou que a atitude do credor gerou constrangimento entre as partes, principalmente pelo fato dos dois serem vizinhos.
Essa não foi a primeira e provavelmente nem será a última vez que isso irá acontecer. Para se ter ideia, no ano passado, em São José do Rio Preto, no interior paulista, uma mulher ganhou na justiça uma ação de R$ 2.000 por danos morais ao ser cobrada no Facebook também por uma dívida de R$ 50.  
Assim, ao que indica, realizar cobranças públicas tanto no Facebook quanto em qualquer outra rede social pode ser uma péssima ideia. Vale lembrar que em ambos os casos as cobranças foram realizadas de forma pública. Ou seja, você ainda pode usar uma conversa privada da rede social para lembrar aquele seu amigo que ele está te devendo dinheiro.

Asus lança notebook com sistema Linux no Brasil por menos de R$ 2 mil


A taiwanesa Asus anunciou nesta quinta-feira, 30, a chegada de um novo notebook da série Z para o mercado brasileiro. Trata-se do Z550MA-XX005, um aparelho com configurações intermediárias, sistema operacional baseado em Linux e que custa R$ 1.899.

CURTA A PÁGINA NO FACEBOOK E RECEBA INFORMAÇÕES SOBRE AS ÚLTIMAS NOVIDADES DA TECNOLOGIA.

A tela do notebook é de 15,6 polegadas com resolução HD, o processador é um Celeron N2940 quad-core de 2,25 GHz, o espaço interno de armazenamento chega a 500GB e a memória RAM tem 4GB, além do sistema EndlessOS (mais leve que o Windows) e bateria duas células de 3.300 mAh.
Reprodução
Completam o pacote um chip de vídeo Intel HD Graphics 3000, uma webcam de resolução VGA, conexão Bluetooth 4.0, duas portas USB 2.0, uma USB 3.0 e uma entrada HDMI. Voltado para fins educacionais, o modelo ainda vem com alguns aplicativos pedagógicos pré-instalados.
É possível comprar o Z550MA-XX005 em uma loja oficial da Asus ou pelo site da fabricante.

Vírus para Android se disfarça de aplicativos populares para roubar dados



A empresa de segurança digital FireEye identificou recentemente uma nova ameaça que infecta dispositivos móveis com sistema operacional Android. Para roubar os dados de conta bancária das vítimas, o arquivo malicioso se "disfarça" de um aplicativo popular, como o WhatsApp ou o Facebook, para levar o usuário a crer que são estes apps que estão solicitando seus dados.
De acordo com a empresa de segurança, não se trata apenas de uma ameaça específica, mas de uma família de malwares que têm o mesmo método. Além dos aplicativos já citados, alguns deles também já foram vistos disfarçando-se do aplicativo de um banco na Alemanha, do aplicativo oficial dos correios na Dinamarca e na Austria, e do Youtube e WeChat no Reino Unido, Noruega e Itália.

Segundo o PplWare, os arquivos nocivos são propagados por meio de mensagens SMS com um link. Ao clicar no link, o usuário baixa o arquivo para seu smartphone. Ele então fica indetectável, e só "acorda" quando percebe que a vítima abriu um aplicativo que ele sabe imitar. Nesse momento, ele imita a interface do aplicativo original para enviar mensagens pedindo os dados bancários da vítima.
A vítima, por sua vez, acredita que na verdade é o aplicativo original que está solicitando seus dados, o que aumenta a probabilidade de que ela os forneça. Segundo os pesquisadores, na Dinamarca mais de 130 mil pessoas já foram infectadas por arquivos nocivos dessa família. Além disso, segundo a FireEye, o modo como os malwares são criados torna fácil para os criminosos incrementar suas capacidades. Com isso, eles podem "aprender" novos disfarces.
Prevenção
De acordo com a empresa, a principal recomendação para que os usuários de Android evitem ameaças desse tipo é permitir apenas a isntalação de aplicativos hospedados na Play Store. A FireEye também recomenda cuidado caso o usuário receba mensagens SMS de estranhos, ou com textos suspeitos. Nesses casos, o melhor a se fazer é deletar a mensagem e jamais clicar nos links enviados. 
Além disso, fique atento ao comportamento de qualquer aplicativo popular que você utilize. Caso ele comece a enviar mensagens incomuns ou solicitar seus dados, não os entregue. Especialmente no caso de apps como o WhatsApp e o Facebook, é extremamente improvável que eles precisem de qualquer dado bancário seu para qualquer coisa. 
Outra recomendação da empresa é o uso de alguma solução de segurança para o seu dispositivo móvel. O Olhar Digital já avaliou algumas das principais ferramentas de proteção disponíveis para o sistema operacional em um vídeo que pode ser visto por meio deste link

Para competir com Netflix, governo estuda reduzir impostos de TV por assinatura



Nem governo federal e nem a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) parecem interessados em "combater" novas tecnologias, como os serviços de streaming da Netflix e do YouTube, para proteger o estabelecido mercado das TVs por assinatura. Uma nova estratégia, porém, foi revelada nesta quarta-feira, 29, pela secretaria de Telecomunicações.

André Borges, chefe da pasta que atua sob o comando do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, falou sobre o tema em um painel no congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), realizado esta semana em São Paulo. O representante disse que o governo não deve atuar para regulamentar serviços como a Netflix, mas que pode aliviar o lado das operadoras reduzindo os impostos que elas pagam.

CURTA A PÁGINA NO FACEBOOK E RECEBA INFORMAÇÕES SOBRE AS ÚLTIMAS NOVIDADES DA TECNOLOGIA.
"Vamos conversar com a Anatel para que seja reduzido o ônus das operadoras de telecomunicações. Devemos fazer isso para que, com o tempo, o SEAC [serviço especial de acesso condicionado, como a TV paga é chamada formalmente] tenha condições de competir com os OTTs [over the top, serviços eletrônicos como o WhatsApp e a Netflix], porque isso é bom para todos", disse o secretário.
João Rezende, presidente da Anatel e que também participou do evento, disse que a agência não pretende criar novas regulamentações para "engessar" serviços como o da Netflix, mas concordou que o excesso de impostos prejudica o lado das operadoras. "O aumento [do ICMS] preocupa por termos uma economia que não cresce no ritmo necessário. Embora resolva o caixa dos estados, vai comprometer o serviço ao longo prazo", comentou.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Fone de ouvido se molda ao ouvido de cada usuário em 60 segundos



Todo mundo já sofreu com um fone de ouvido desconfortável, ou que não encaixa direito e fica caindo toda hora. A ideia do Revols, um novo tipo de fone, é que isso nunca mais aconteça, porque cada aparelho se adapta ao ouvido do usuário em 60 segundos.


Criados pela Revol Technologies, os fones se parecem com bolhas de gel na ponta de um cabo. Ao colocar no ouvido e utilizar um aplicativo no celular, o Revols inicia um processo que endurece os fones de acordo com o formato do ouvido, dando origem a um aparelho personalizado.
O processo de moldagem dos fones funciona por meio do envio de uma corrente elétrica para os fones ainda em formato similar ao gel. Esta corrente endurece as pontas no formato ajustado dos ouvidos, fazendo com que o aparelho permaneça neste formato. No entanto, a empresa não revela qual é o material deste tal gel, alegando que é como um “molho secreto”.
“Nossos ouvidos são tão únicos como nossas impressões digitais. Fones com ajuste customizado são a solução”, diz Daniel Blumer, CEO da Revol.
Ao testar o processo de personalização do fone, o Tech Insider observou que, visualmente, a diferença do fone customizado para o aparelho “cru” é muito pequena, mas o executivo afirmou que, de fato, as mudanças são quase imperceptíveis a olho nu, mas fazem a diferença no ouvido.
O Revols também conta com tecnologia de cancelamento de ruído externo para que o usuário fique focado no som da sua música ou dos seus podcasts. A contrapartida deste recurso é a baixa duração de bateria; a empresa diz que o aparelho funciona por até 6 horas antes de precisar de uma nova recarga.
O projeto nasceu em 2014, financiado por meio de uma campanha no Kickstarter, que arrecadou US$ 2,5 milhões para bancar o desenvolvimento. Foi a campanha de maior sucesso no Canadá até hoje, provando que há demanda por fones ajustáveis. Quem não apoiou o projeto nesta fase poderá comprá-lo nos Estados Unidos por US$ 250, com lançamento em algum momento até o fim de 2016.

Falha no Chrome permite download de filmes da Netflix



Um problema do Chrome está permitindo que usuários realizem o download de filmes de empresas de streaming como Netflix e Amazon. O bug permite que qualquer pessoa baixe as mídias armazenadas pelo site e facilita a pirataria.
A falha acontece no sistema Widevine EME/CDM, usado pelo navegador para permitir que conteúdo criptografado seja baixado e exibido na máquina – e que também está presente em outros navegadores, mas o mesmo bug –, e foi descoberta por dois pesquisadores de segurança, Alexandra Mikityuk e David Livshits. Eles descobriram que havia um método de utilizar o sistema para fazer o download do arquivo diretamente para a memória inteira da máquina.

Apesar de descobrir o problema, os pesquisadores decidiram não compartilhar a forma em que os vídeos podem ser baixados. O objetivo dos dois é evitar que o problema facilite a pirataria. Mesmo assim, ambos gravaram um vídeo mostrando um pouco de como a falha ocorre:
Apesar de ser um bug gravíssimo e que pode até mesmo fazer com que serviços como a Netflix percam assinantes uma vez que o conteúdo pode ser acessado sem nenhum custo financeiro, o Google ainda não se manifestou sobre o problema mesmo após serem alertados diretamente pelos pesquisadores no dia 24 de maio.
Para piorar ainda mais a situação, os pesquisadores afirmam que o problema também está presente no Chromium, navegador de código aberto distribuído gratuitamente pela Google para desenvolvedores. Dessa forma, qualquer pessoa pode criar um navegador específico para permitir que o software realize o download do conteúdo dos serviços.

WhatsApp deve ganhar novos e úteis recursos em próxima atualização



A versão de testes do WhatsApp acaba de ganhar novos recursos que podem ser liberados para todos os usuários em uma próxima atualização. Entre as novidades estão um novo sistema de marcação de usuários em chats em grupo e também convites por links ou QR-Code.
A marcação no WhatsApp Beta funciona de forma semelhante ao Twitter e Instagram. Numa conversa em grupo com muitas pessoas, você pode chamar a atenção de um contato em especial digitando o nome de usuário dele com um "@" no começo.
Assim, esse contato receberia uma notificação especial de que você está falando especificamente com ele naquele chat em grupo. Assim que o usuário digita "@", o WhatsApp já mostra uma lista de contatos no grupo aos quais você pode se referir na mensagem.

O outro recurso tem sido pedido há algum tempo pelos usuários do app. Com esse sistema de convites, não será mais necessário que o administrador do grupo adicione cada novo membro manualmente. Em vez disso, basta gerar um link ou um código QR e enviar a quem quiser.
Esse convite poderia ser postado no Facebook, Twitter, Instagram ou enviado por e-mail, fazendo com que o usuário seja automaticamente adicionado ao chat apenas clicando sobre a URL. O mesmo vale para o QR-Code, bastando ser digitalizado pela câmera do celular.
Ainda não é possível saber quando esses recursos chegarão a todos os usuários. Porém, é possível ter acesso a novidades do WhatsApp antes de todo mundo tornando-se membro do programa de testes do app. 

Tim anuncia que não vai mais cortar internet após fim da franquia


A Tim anunciou que a partir desta segunda-feira (27) volta, temporariamente, a oferecer navegação na internet móvel após o fim da franquia nos planos pré-pago. Antes, a operadora cortava o acesso à internet ao término do consumo completo do pacote de dados.



A novidade vale para os pacotes de dados nas ofertas com tarifação diária: Infinity Web e WEB+ Torpedo 50MB, 100MB e 200MB. Porém, a navegação com velocidade reduzida será uma opção gratuita até o dia 31 de agosto. Durante esse período, a operadora irá avaliar o comportamento dos usuários e poderá prorrogar o prazo da gratuidade. 
A empresa diz ter tomado a decisão após ouvir a opinião de 85% dos clientes que fazem parte do plano pré-pago.  Com isso, os usuários poderão decidir se querem continuar navegando gratuitamente com velocidade reduzida ou se preferem recontratar o pacote atual ou migrar para uma oferta com mais internet.
Quando a franquia de dados estiver para acabar, o cliente receberá um SMS informativo avisando que já atingiu 80% da franquia de dados contratada. Quando atingir 100%, um novo SMS oferece quatro opções para o usuário continuar a navegar. A primeira para aumentar a franquia diária contratando um novo plano; a segunda para recontratar a oferta atual e, assim, ter um novo pacote de dados para aquele dia; a terceira para contratar um pacote mensal de dados; e a quarta para continuar navegando grátis com velocidade reduzida.
Se o cliente escolher seguir navegando sem um novo pacote, terá sua velocidade reduzida a 30Kbps.

Microsoft pagará US$ 10 mil a mulher por forçar update para o Windows 10


A californiana decidiu entrar com uma ação contra a companhia depois que a instalação do Windows 10 fez seu computador ter desempenho ruim, apresentar travamentos e ficar inutilizável por vários dias. Ela contatou o suporte da Microsoft para resolver o problema, mas decidiu recorrer à justiça após a companhia não apresentar uma solução. O valor de US$ 10 mil engloba a compensação e os custos de um novo computador.


“Eu nunca havia ouvido sobre o Windows 10. Ninguém me perguntou se eu queria atualizar”, ela afirmou, indicando que o update foi forçado em seu computador.

A Microsoft havia decidido recorrer, mas acabou desistindo do caso no mês passado. Apesar de negar ter cometido qualquer infração, mas optou por aceitar a decisão inicial para evitar mais custos da disputa jurídica.
Estes US$ 10 mil não devem nem fazer cócegas nos balancetes da Microsoft, mas eles são um símbolo de coisas que não deram muito certo com o programa de atualização grátis do Windows. A ideia de permitir que usuários migrassem sem custos para a nova plataforma foi ótima, e o sistema operacional tem muitos recursos bacanas, mas a maneira como foi conduzida por vezes deixou esta impressão de que a empresa estava forçando a atualização aos usuários.
Entre as práticas condenáveis usadas pela empresa estão o download automático dos 3 GB da atualização mesmo antes de o usuário aceitar o update e a exibição repetitiva de janelas pop-up com mensagens dúbias sem uma opção clara para rejeitar a atualização.
O problema está prestes a acabar, no entanto. A oferta de atualização grátis do Windows 10 acaba no fim de julho, quando o sistema completa um ano de seu lançamento. A partir daí, quem atualizou, atualizou; quem não atualizou, não atualiza mais, a não ser que compre uma licença nova.

Nubia Z11 é um smartphone sem bordas ao redor da tela e 6 GB de RAM


O mais novo smartphone absurdo da China é o Nubia Z11, criado pela fabricante ZTE. O aparelho é um top de linha, sucessor do Z9, lançado no ano passado (cadê o Z10?), e se destaca pelo fato de quase não ter bordas ao redor do display e contar com 6 GB de memória RAM.


O painel que ocupa quase toda a parte frontal do aparelho é um destaque estético, mas a tecnologia empregada nele, curiosamente, não é. A empresa optou por lançar o aparelho com a tela de 5,5 polegadas com resolução Full HD (1920x1080), o que não chega a impressionar em 2016, principalmente para um celular com 6 gigabytes de RAM.
No entanto, o aparelho ainda é um top de linha de respeito. Além da memória RAM, o Z11 conta com um chipset Snapdragon 820 e o Android 6.0.1 (Marshmallow) com a interface customizada Nubia UI 4.0. A câmera traseira de 16 megapixels conta com estabilização óptica e abertura f/2.0 e frontal de 8 megapixels com abertura f/2.4 e lente grande-angular. O modelo ainda conta com entrada para dois chips, sensor de impressões digitais na traseira, áudio HiFi e 3000 mAh de bateria.
Há, na verdade, duas opções de aparelho, que variam em RAM e armazenamento. O modelo já citado, com 6 GB de RAM, vem com 128 GB de espaço interno, com slot para cartão microSD de até 200 GB. Já a versão mais simples tem apenas 4 GB de memória com 64 GB de armazenamento interno.
O aparelho começa a ser vendido na China no dia 6 de julho, e os preços variam entre cerca de R$ 1.240 pela versão de 4 GB de RAM e R$ 1.730 pela opção de 6 GB de memória.
Além destas duas versões, a ZTE também vai vender mais uma edição limitada do aparelho, autografada por Cristiano Ronaldo, o astro do Real Madrid e da seleção portuguesa. A empresa não revelou preço, mas podemos adiantar que vai ser mais caro, e não deve ser pouco.

Oferta de Windows 10 grátis acaba em 30 dias; tire suas dúvidas sobre o update



Quem ainda não atualizou o PC para Windows 10 tem exatamente um mês para fazer o upgrade de graça. A oferta da Microsoft acaba em 29 de julho e, depois dessa data, a nova versão do sistema operacional só poderá ser adquirida por meio de uma licença, que custa atualmente entre R$ 470 (versão Home) e R$ 810 (versão Pro).
Depois de sofrer e perder um processo de US$ 10 mil por uma instalação não autorizada do Windows 10, a Microsoft decidiu ser mais clara e menos agressiva no que tange às janelinhas pop-up com a oferta de atualização grátis. Agora a empresa vai exibir a opção "Rejeitar oferta grátis", que elimina a atualização de uma vez por todas.
Tem dúvidas sobre o update? Não sabe se vale a pena? Veja abaixo tudo o que você precisa saber a respeito do Windows 10 antes de tomar qualquer decisão:
Quem pode fazer?
A atualização gratuita está disponível para computadores e laptops com Windows 7 ou Windows 8.1.
Mas é de graça mesmo? Sem pegadinhas? Tem certeza? Jura? Não é golpe?
A Microsoft promete e garante que não há nenhuma pegadinha. Quem aceitar a oferta no prazo terá o Windows 10 para sempre naquele computador, sem nenhuma cobrança adicional. Sem cobranças mensais ou anuais. Não se trata de um trial que exige que você pague ao fim de um ano.
Quanto vai custar depois?
Atualmente, uma licença comprada em disco, nas lojas da Microsoft no Brasil, custa R$ 470 (versão Home) e R$ 810 (versão Pro).
Do que eu preciso para rodar o Windows 10?
  • Windows 7 com o Service Pack 1 (SP1) ou Windows 8.1 com Update 2
  • Processador ou system-on-chip de 1GHz. As versões de 64 bits do Windows 10 necessitam de um processador que suporte CMPXCHG16b, PrefetchW, e LAHF/SAHF.
  • 1 GB de RAM para o sistema de 32 bits e 2 GB para o sistema de 64 bits.
  • 16 GB de espaço em disco para o sistema de 32 bits, ou 20 GB para o sistema de 64 bits.
  • GPU compatível com DirectX 9 ou superior. Alguns aplicativos e jogos requerem DirectX 10 ou superior para um desempenho melhor
  • Resolução de tela mínima de 1024x600
E os meus arquivos? Eu perco algum deles com o Windows 10?
Só se você quiser. Na hora de fazer a atualização a Microsoft vai perguntar se você quer limpar o HD antes de instalar, ou se pretende manter seus arquivos. Cuidado para não fazer a escolha errada e perder tudo sem querer.
Quantas pessoas já estão usando?
Segundo a Microsoft, mais de 300 milhões de dispositivos ativos rodam Windows 10. Já é o segundo sistema operacional da empresa mais usado no mundo, perdendo apenas para o Windows 7 (por enquanto). Ou seja, você não estará sozinho nessa.
E se meu computador com Windows 10 der problema quando a oferta não valer mais? Posso reinstalá-lo de graça?
Sim. Depois que você fizer a atualização, a Microsoft reconhece que o seu computador tem acesso ao Windows 10 de graça. Você pode reinstalá-lo naquela máquina quantas vezes você preferir, de graça.
Tenho que voltar para o Windows 7 ou 8.1 se eu formatar meu PC depois de instalar o Windows 10?
Não.
Como posso fazer isso?
Haverá duas opções de reinstalação do Windows 10. A primeira é realizar a restauração de fábrica, que limpa as configurações da máquina, mas não é tão radical. A outra é a formatação tradicional, usando uma mídia USB ou DVD. As duas serão possíveis.
Comprei/Montei um computador novo. Posso aproveitar minha licença do Windows 10 na nova máquina?
Não. A oferta gratuita da Microsoft é vinculada ao hardware, e não ao usuário. Mas se você comprou um PC com Windows 7 ou 8.1 antes de 29 de julho de 2016, pode fazer o update gratuito também.
Tenho mais de um computador em casa. Posso instalar o Windows 10 em todos eles?
Sim. Embora você seja obrigado a ter uma conta da Microsoft para fazer a atualizaçao, a oferta grátis é vinculada ao hardware, não ao usuário. Isso significa que você pode aproveitar a promoção em todas as suas máquinas, não importa quantas.
Não recebi a notificação para baixar o Windows 10. E agora?
Há alguns possíveis motivos para isso acontecer.
  • Seu dispositivo não estiver executando o Windows 7 SP1 ou o Windows 8.1 Update 2.
  • Você estiver executando uma versão Enterprise (para empresas) do Windows que não está qualificada para esta oferta.
  • As atualizações automáticas do Windows não estiverem habilitados em seu dispositivo.
  • Seu dispositivo não atender aos requisitos mínimos do sistema.
  • Seu dispositivo não estiver conectado à internet.
  • Seu dispositivo estiver qualificado, mas a Microsoft ainda está trabalhando em outras atualizações, como a obtenção de um novo driver.
Pode ser que seu aparelho se encaixe na última opção. Vale a pena esperar um pouco mais.
Terei algum problema de compatibilidade se instalar o Windows 10?
A Microsoft diz que não deve haver problemas de incompatibilidade de aplicativos ou periféricos com o novo sistema. No entanto, há uma forma de verificar. Existe uma ferramenta chamada “Upgrade Advisor” no aplicativo Get Windows 10. Ele permite verificar incompatibilidades e oferece sugestões de soluções para possíveis problemas. Para isso...
  • Abra o aplicativo Get Windows 10, que se encontra na extremidade direita da barra de tarefas.
  • Clique no ícone de Menu.
  • Clique em Check your PC (Verificar seu PC).
Eu perco algum recurso instalando o Windows 10?
Sim, alguns recursos das versões anteriores do Windows serão perdidos. Nenhum deles era fundamental, mas, sim, algumas coisas serão deixadas para trás.
  • Fim do Windows Media Center, inexistente na versão 10.
  • O jogo “Copas” também será extinto, enquanto “Campo Minado” e “Paciência” serão reformulados.
  • Os gadgets do Windows, complementos do desktop que exibiam informações como a previsão do tempo, também não existirão mais.
  • Quem ainda usa leitores de disquetes via USB precisará baixar novos drivers para que o dispositivo funcione no Windows 10.
  • Será necessário um software externo para assistir a DVDs no Windows 10.
Tenho o Windows 8 (e não o 8.1). Posso fazer o upgrade direto?
Não. É necessário antes fazer a atualização grátis para o Windows 8.1 e depois pensar em avançar para o 10.
Qual versão do Windows 10 eu receberei?
As tabelas abaixo explicam bem as equivalências de versões:
Reprodução
Se eu não gostar, eu posso voltar atrás para a versão antiga do sistema?
Sim. O processo é, a princípio, relativamente simples: durante a atualização, o Windows 10 guarda os arquivos da sua versão antiga do Windows em uma pasta chamada Windows.old. Os arquivos todos, portanto, ainda estão lá. Graças a isso, existe uma opção “Voltar ao Windows 7 ou 8.1” incorporada ao Windows 10.
No entanto, a nova versão do Windows só mantém salvos os dados da versão antiga por cerca de um mês. Após esse período, o Windows 10 automaticamente deleta os arquivos da pasta Windows.old (pois eles ocupam muito espaço). Nesse caso, ainda é possível voltar atrás, mas o processo é um pouco mais complicado.
Meu Windows é pirata. Posso atualizá-lo?
Sim, mas com um porém. A Microsoft diz que, mesmo atualizada, sua versão do Windows permanecerá pirata. Alguns usuários relatam que isso não muda nada em suas experiêcias com o sistema, enquanto outros disseram ter perdido o update algumas semanas depois. Atualize por sua conta e risco.

Boato que diz que o Facebook será pago é "mentira"


Apesar de parecer óbvio, alguns internautas mais desavisados foram vítimas da farsa. Não há qualquer indicação de que o Facebook esteja planejando realizar mudanças deste tipo na rede social. Por isso, o recomendado é apenas ignorar a mensagem spam e alertar sobre a falsidade dela.
Segundo a mensagem, os “membros ouro” terão suas configurações de privacidade mantidas da forma como estão configuradas atualmente. Para isso, no entanto, seriam cobrados em US$ 5,99. Quem não pagar terá suas publicações privadas exibidas para todos os usuários na rede social.
O “comunicado” ainda pede que os internautas que não concordarem com a cobrança colem a mensagem em suas timelines para evitarem serem taxados.
Reprodução

terça-feira, 28 de junho de 2016

CIEE oferece 500 vagas em cursos gratuitos de TI



O Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) vai oferecer 15 cursos e 5 oficinas de tecnologia da informação voltadas a estudantes de São Paulo. Os eventos são gratuitos e oferecem formação sobre temas desde a inclusão digital até a introdução à lógica de programação.
São 500 vagas nos cursos, que possuem carga horária de 8 a 36 horas, e nas oficinas, que duram entre 3 e 4 horas. Cada uma das salas comporta até 20 alunos e as aulas acontecem de manhã e à tarde, nos laboratórios de informática do CIEE.
Confira os cursos oferecidos:
1. Inclusão Digital
Carga horária: 12 horas
2. Conceitos e Infraestrutura de Redes
Carga horária: 24 horas
Pré-requisitos: Cursar Ensino Técnico ou Superior na área de tecnologia da informação
3. HTML (CIEE)
Carga horária: 8 horas
Pré-requisitos: Conhecimento em Windows
4. Introdução à Linguagem SQL
Carga horária: 24 horas
Pré-requisitos: Conhecimentos em lógica de programação e ambiente windows
5. Introdução à Lógica de Programação
Carga horária: 36 horas
Pré-requisitos: Cursar Ensino Técnico ou Superior na área de tecnologia da informação 
6. Fundamentos do Excel 
Carga horária: 3 horas
Pré-requisitos: Conhecimento em Windows

7. Oficina Smartphone e seus Aplicativos 
Carga horária: 4 horas
8. Oficina de Internet 
Carga horária: 4 horas
Pré-requisitos: Conhecimento em Windows e Internet
9. Curso de Tratamento e Edição de Imagens
Carga horária: 12 horas
Pré-requisitos: Conhecimento em Windows
10. Oficina de Outlook Express
Carga horária: 4 horas
Pré-requisitos: Conhecimento em Windows
11. Pacote Office 
Windows + Word
Carga horária: 12 horas
Pré-requisito: Conhecimento em Windows
Excel Básico + Intermediário
Carga horária: 20 horas
Pré-requisito: Conhecimento em Windows
Access Básico + Intermediário
Carga horária: 20 horas
Pré-requisito: Conhecimento em Windows
Power Point
Carga horária: 8 horas
Pré-requisito: Conhecimento em Windows

Os cursos acontecem na sede do CIEE, que fica na rua Tabapuã, 445, 4º andar, no bairro Itaim Bibi. Para mais informações, acesse:www.ciee.org.br.

domingo, 26 de junho de 2016

Vírus que pode infectar 90% dos dispositivos com Android


Mais uma família de softwares maliciosos para Android foi descoberta, e essa afeta qualquer aparelho contendo até a versão 5.1 (Lollipop) do sistema, o que significa que quase 90% dos dispositivos Android estão vulneráveis.


O malware é chamado de Godness e foi revelado pela TrendMicro. De acordo com os pesquisadores, os aplicativos maliciosos que espalham a ameaça podem ser encontrados até mesmo dentro da Google Play e, atualmente, mais de 850 mil aparelhos já foram infectados pelo mundo.
Índia, Indonésia, Tailândia, Filipinas e Malásia estão entre os principais afetados. Felizmente, o Brasil não aparece nem entre os dez países com maior número de infectados.
O Godness é a sobra de um kit de exploração que se aproveita de uma estrutura de código aberto chamada android-rooting-tools para operar. Com privilégios de raiz, o malware é capaz de receber instruções remotas sobre qual app baixar e também pode instalar o que quiser sem que o usuário saiba.
Dessa forma, hackers podem se aproveitar da rede dos outros para rodar publicidade indevidamente em seus dispositivos e até instalar aplicativos espiões para roubar informações sensíveis.
“Encontramos vários aplicativos na Google Play que contêm esse código malicioso”, informa a TrendMicro, alertando que apps de lanterna e relacionados ao gerenciamento de redes Wi-Fi estavam entre os problemáticos. “Por exemplo, um app malicioso de lanterna na Google Play chamado 'Summer Flashlight’ continha o código malicioso Godness.”
Outros apps inofensivos que estão na loja do Google possuem clones maliciosos fora da Google Play.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

5 sinais de que é hora de trocar o roteador da casa



1. Rede Wi-Fi lenta
Se mesmo depois de contratar um serviço de mais de 5 Mbps com a operadora a conexão permanece lenta, é possível que o usuário esteja com problemas no roteador. Na hora de escolher um novo dispositivo, opte pelos que possuem conectividade 11 AC. Eles operam em duas frequências e têm velocidades altas.
2. Problemas no alcance de sinal
Quem mora em uma casa grande ou em um apartamento com paredes grossas também pode enfrentar problemas com o sinal de Wi-Fi. Nesses casos, antes de trocar o roteador, é possível tentar usar um repetidor de sinal.

3. Vários dispositivos conectados à rede
Quando há muitos dispositivos conectados ao mesmo tempo na rede, a velocidade de conexão diminui. Se o roteador é antigo e tem velocidade abaixo de 300 Mbps, o problema pode se agravar. Outro fator que interfere na velocidade é o uso que cada uma das pessoas da casa faz na rede. Há um roteador ideal para cada tipo de necessidade, além da cobertura/ alcance desejados.
4. Segurança
Um roteador de vários anos também pode oferecer riscos à segurança do usuário. Além de invasões e roubo de sinal, um equipamento comprometido pode acabar revelando informações importantes. 
5. Interferências
A conexão está lenta? Nem sempre a culpa é da operadora. Em alguns casos, o usuário pode estar experimentando interferências de equipamentos como o microondas e o telefone sem fio. Isso acontece porque, muitas vezes, além de não ter a velocidade e o desempenho necessários para atender a demanda, o roteador utiliza como padrão a banda de 2,4Ghz.
O ideal para evitar interferências é procurar roteadores que operem, além da banda de 2,4Ghz, com 5Ghz – são os equipamentos chamados dual band. Essa frequência é mais ampla e conta com 23 canais que não se sobrepõem.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Golpe do "veja quem visitou o seu perfil" chega ao WhatsApp



"Saiba quem xeretou o seu perfil". Abordagens semelhantes a essas são usadas em inúmeras tentativas de golpe e fraude digital para roubar dados do usuário. Em geral, elas prometem à vítima um recurso que permite saber quem acessou seu perfil do Facebook, e surgem como extensão maliciosa da rede social. Essa mesma estratégia está sendo usada agora também no WhatsApp, segundo a Kaspersky Lab.
De acordo com os especialistas da Kaspersky, a mensagem chega geralmente de algum contato do usuário que já foi infectado. Ela contém uma mensagem como "Sabe quem xeretou seu perfil? Kkkkkk", seguida de um link. Ao acessar o link, a vítima é direcionada a um site que oferece o suposto recurso em troca do compartilhamento do link com dez amigos ou três grupos.
Caso a vítima siga as orientações, ela é depois direcionada para uma série de sites de propaganda - nenhum dos quais traz o recurso prometido. Se ela cadastrar seu número em qualquer um deles, ela será cobrada pelo serviço na próxima fatura do celular, e é aí que os criminosos ganham dinheiro. Segundo Fabio Assolini, analista de segurança da Kaspersky, uma busca em sites de reclamações de consumidores revela que uma grande quantidade de pessoas já foram enganadas.
Recursos verdadeiros e falsos
Embora haja anúncios e rumores sobre diversos novos recursos do WhatsApp, nenhuma novidade desse tipo foi comunicada pela empresa. Por esse motivo, mensagens desse tipo devem ser vistas sempre com suspeita - qinda mais quando elas tiverem erros de gramática, como no caso da mensagem acima.
Não se trata, nem de longe, da única tentativa de golpe que circula por meio do aplicativo de conversas. Outros esquemas de fraude recentes incluem um que prometia à vítima o acesso a uma versão "Gold" do WhatsApp (que não existe), e outro que dizia ao usuário que ativaria o recurso de videochamadas em seu dispositivo - também falso. 

Apps maliciosos se unem para roubar dados e até dinheiro do usuário


A Intel Security divulgou nesta quinta-feira, 23, o relatório mensal de ameaças da McAfee Labs. O documento explica como é a dinâmica entre os aplicativos, isso é, quando os criminosos manipulam dois ou mais apps para orquestrar ataques aos usuários. No último mês, a empresa observou o comportamento em mais de 5 mil versões de 21 apps.
Considerada por muitos especialistas como uma ameaça teórica por muitos anos, os conluios de aplicativos aproveitam os recursos comuns de comunicação entre os apps para realizar atividades nocivas. Esse tipo de conspiração exige ao menos 1 app com permissão para acessar informações restritas e um aplicação sem essa permissão, mas com acesso fora do dispositivo e a capacidade de comunicação entre ambos.
A McAfee Labs encontrou 3 tipos de ameaça que podem ser resultantes do conluio entre aplicativos de dispositivos móveis:
  • Roubo de informações
Um app com acesso a informações confidenciais colabora, voluntária ou involuntariamente, com um ou mais aplicativos para enviar informações fora dos limites do dispositivo.
  • Roubo financeiro
Um aplicativo envia informações para outro aplicativo, o qual pode executar transações financeiras ou fazer chamadas de API financeiro.
  • Abuso de serviços
Um app controla um serviço do sistema e recebe informações ou comandos de um ou mais aplicativos para gerenciar uma série de atividades maliciosas.
Nessa prática, um dos aplicativos pode estar colaborando intencionalmente ou não, devido ao vazamento de dados acidental, inclusão de uma biblioteca maliciosa ou kit de desenvolvimento de software malicioso. Esses apps podem utilizar um espaço compartilhado para trocar informações sobre privilégios concedidos e para determinar qual deles está posicionado de forma ideal para servir de ponto de entrada para comandos remotos.
Como se proteger?
De acordo com os pesquisadores, uma vez identificados, os aplicativos podem ser bloqueados. Para diminuir os riscos, o relatório sugere baixar aplicativos apenas de fontes confiáveis, evitar apps com propaganda integrada, não fazer “jailbreak” em dispositivos móveis e o mais importante, sempre manter o sistema operacional e os aplicativos atualizados.

Fique por dentro dos próximos conteúdos!O seu endereço de email não será publicado.

Nome

E-mail *

Mensagem *

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...